VALE DE SANTARÉM – HOMENAGEM AO PROF. AURÉLIO FARIA, NO ENCONTRO DE ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA PRIMÁRIA – PALAVRAS DE JOSÉ TOMÉ

Foi no Vale Santarém que o Prof. Faria passou mais anos da sua vida. Foi na nossa terra que o tão recordado mestre constituiu família e afirmou a sua qualidade de trabalho, deixando uma obra educativa que marcou para sempre centenas de Vale-Santarenos, alguns dos quais estiveram presentes no Encontro-Convívio da Escola Primária Aristides Graça, realizado no passado dia 7 de Outubro.

Coube ao José Tomé, seu antigo aluno, o elogio de homenagem ao grande professor, com as palavras de que comungaram os colegas presentes, através de uma sentida e tão merecida salva de palmas. Disse José Tomé:

Distintos convidados, estimados colegas, amigos, senhoras, senhores.

Neste dia muito especial para todos nós, hoje aqui reunidos neste ambiente muito confraternizante e jovial, permitam-me algumas palavras sobre o nosso Professor Aurélio Faria.

O Professor Aurélio Faria, natural da região de Castelo Branco, chegou à Escola Aristides Graça, no Vale de Santarém, nos finais da década de 1920. A sua permanência como professor no Vale de Santarém, que se deu por duas vezes, foi a mais longa da sua carreira. Após ter concluído o Curso no Magistério Primário, com a mais alta classificação, esteve colocado em escolas das proximidades de Montemor-o-Velho e Covilhã. Mais tarde, já no Ribatejo, para além do Vale de Santarém, foi professor nas escolas de Benfica do Ribatejo e Vila Chã de Ourique.

O Professor Faria radicou-se no Vale de Santarém, onde casou e constituiu família. Foi uma pessoa muito respeitada, pelo seu valor profissional, pela sua qualidade de trabalho, por educar e formar alunos que, nos exames finais da 4ª classe, eram sempre elogiados como dos mais bem preparados nas matérias escolares e, logicamente, para a vida.

Participou com a escola, através dos seus alunos, em diversas actividades cívicas e educativas na terra, em pequenas peças de teatro e outras realizações que permitiam às crianças outras aprendizagens, com um envolvimento na cultura e tradições da aldeia, a maior parte das vezes com a colaboração, entre outros, do senhor João Nogueira, poeta do Vale de Santarém, que assinava com o nome de João d’Aldeia.

Do seu casamento com a Dona Deolinda teve o professor Faria dois filhos, o Aurélio e o José, que acabaram por ser também seus alunos. O Sr. Aurélio Faria, filho, que muito saudamos, neste dia muito especial dedicado a homenagear seu Pai, manisfestou seu grande desejo de estar aqui presente. Porém, infelizmente, por motivos de saúde não se sente fisicamente apto para nos acompanhar nesta celebração. Assim, todos nós lhe enviamos os nossos melhores votos para o seu bem-estar e o pronto restabelecimento de sua saúde.

Do pai, enquanto professor, disse-nos que era normal vê-lo, em casa, a estudar a forma de melhor lidar com as situações de alunos que tinham mais dificuldades em perceber as matérias e em evoluírem, num tempo em que havia diversas insuficiências ao nível das famílias, de tal modo que muitas tinham necessidade de tirar os filhos da escola para os porem a trabalhar, para terem mais meios de sustento. Mas o Professor Faria, se era usual vê-lo entregue, em casa, a procurar soluções para melhor ensinar os seus alunos, não falava da escola com a família, mesmo com os filhos, apesar de serem também seus alunos. 

Era um professor muito dedicado, o Sr. Professor Faria, um exemplo de profissional, que seguramente pretendia transmitir o seu melhor a fim de ver seus alunos com uma sólida preparação escolar e um bom comportamento civico para que, quando adultos, nas suas carreiras profissionais e sociais, pudessem em qualquer parte do Mundo recordar que a exigência e o rigor do nosso ilustre Professor Faria foi a base primária de nossas vidas, de que hoje nos devemos todos orgulhar. Seguramente, podemos classificar sua obra Digna de Menção.

Claro que, para obter tais níveis de reconhecimento e elogios dos seus alunos, eu incluído, o empenho que o Professor Faria dedicava na preparação e comportamento impulsionava-o por vezes a utilizar o seu famoso buraco no jornal, aberto com o seu cigarro e, através dessa pequena e redonda janelinha, observava os “alunos traquinas”, aos quais se dirigia com sua voz bem respeitada, chamando-os para uma sessão de palmatoadas, utilizando uma das suas melhores “amigas”, que cuidadosamente guardava numa das gavetas de sua secretária a que ele chamava a “Menina dos 5 olhos” – de forma comprida, esbelta, de mogno vermelho e de carinha redonda, muito semelhante às colheres de pau das/dos cozinheiras/os.

À parte esta passagem, de certo modo um pouco humorística, podemos resumir que o professor Faria, muito conhecedor, respeitado e empenhado, dele guarda a população da nossa terra as mais gratas recordações, em especial os seus alunos, entre os quais se contam pais e filhos, atravessando gerações de Vale-Santarenos.

Neste dia em que, pela primeira vez, os seus antigos alunos e, por seu intermédio, a população do Vale de Santarém, lhe prestam esta singela homenagem, eu, também seu aluno, curvo-me perante a sua memória.

Com todo o respeito e sentimento digo, Professor Aurélio Faria, nós recordamo-lo para sempre, nesta terra a que um dia chegou, para quem o senhor foi um exemplo. O senhor foi, é, um grande Vale-Santareno. Obrigado, Professor Faria! 

Ps:

 Antes de terminar permitam a este vosso interlocutor que vos diga que para mim, assim como seguramente para muitos entre nós, foi um grande esforço de memória, a fim de reconhecer muitos dos nossos colegas, dado que há cerca de 60 anos que não nos víamos, ou seja, desde os dias das nossas classes primárias. 

Para mim, em particular, que há cerca de 45 anos que estabeleci residência fora do País, foi muito agradável ao re-descobrir tantos amigos/amigas de nossa infância, algo inesquecível e, se me permitem, desejo que esta experiência se venha a repetir por longos anos no futuro.

José Ferreira Tomé

07 de Outubro de 2012

Manuel João Sá, membro da Comissão de Organização do Convívio Anual.

Prof. Aurélio Faria com alunos – Ano Lectivo 1949/50 – José Tomé está na fila de cima, sendo o 1ª à direita.

Autor: 60emais

Português.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.