CABO DA ROCA – UM LUGAR MÍTICO

Começa o ano e, não sei por que razão, preciso de ir até ao mar. Hoje, domingo, meti-me no carro e segui pela marginal até Cascais, com paragem em Carcavelos. Aqui, foi mais de uma hora a ver a rebentação, a sentir o cheiro do mar, a ver a neblina, rente às ondas, com o sol a tentar, a tentar, mas… sem conseguir aparecer em pleno.

É bom estar ali. É bom andar por ali, pelo passeio marítimo. Um tempo não muito bom, ouvi dizer. Mas quem dera a tantos outros povos da Europa este tempo e este passeio marítimo!… Iam aproveitá-lo decerto muito melhor que nós. Todo o ano.

Quando penso nisso, vem-me sempre à ideia que quem quiser ver os portugueses no seu lazer favorito todo o ano, pode ir a um dos centros comerciais mais importantes da área. Escusa de ser em Lisboa ou no Porto.

Segui depois para o Cabo da Roca. Fui antes dar uma espreitadela à Boca do Inferno. O espectáculo do costume. O rebentar das ondas, o ruído – um som forte, assustador. E o vento, pouco, apesar do céu para o chumbo.

Depois, fiz o percurso pela borda do mar, até ao Guincho, onde a estrada já tem muita areia da praia, como de costume trazida pelo vento. Ciclistas, poucos, a desafiar o tempo. Também alguns caminhantes.

Penso sempre, quando ali passo, que temos trechos de costa marítima magníficos. Aquele trajecto que vai até ao Cabo da Roca e que, depois, segue até Colares, é um deles.

Curvas e contra-curvas, o verde em volta, o mar cinzento-azul (hoje) à nossa esquerda… Vale a pena parar num ponto que serve de miradouro para o mar, ainda com um bom naco de terra e rocha até lá chegar. Fiz fotos aí.

Depois segui – continuando pelo percurso que, dantes, se chamava “a volta dos tristes” – até ao Cabo da Roca. Muitas pessoas por lá, incluindo diversos turistas estrangeiros. Fotos e mais fotos. E filmagens. Como sempre.

Lá em baixo, visto da amurada, o mar no seu vai-vem. Parecia calmo, silencioso. Porém, gaivotas voando mais perto das arribas. Gaivotas em terra… mau tempo no mar. Pouca visibilidade, para o longe. Mesmo assim… alguns cargueiros e outros navios, a cumprirem a sua rota.

Foi arrefecendo. Deixei o Cabo da Roca, a caminho de Colares. Passei entretanto pelos mercados de rua. Comprei nabiças, laranjas, mel e uma abóbora. E fiz uma pequena conversa com os vendedores. A vida está má. Vai-se vendendo, mas…

Colares. A ribeira cheia, parece ter engravidado. As águas, revoltas e endiabradas, têm invadido as margens junto à ponte que dá passagem para a Paria das Maçãs. Fiz o caminho de regresso a Lisboa, passando por Galamares, Ribeira, Sintra.

Neste trajecto acompanha-se a linha do eléctrico que liga Sintra à Praia das Maçãs. Já viajei neste eléctrico, até à praia, no Verão de há dois anos. Fui mesmo como praiista. Fui à praia e tudo. Uma memória inesquecível.

O trajecto entre Colares e Sintra é igualmente bonito. Fica mais interessante se for feito de eléctrico, porque tem muitas variações e o eléctrico confere um clima particular à jornada.

Foi com a satisfação de uma agradável viagem que regressei a Lisboa, a cidade a deixar-se envolver pelo começo da noite, luzes aos milhares como que pousadas sobre a capital. E uns pinguitos a lembrar: o tempo é de chuva.

E a virem-me também à lembrança os versos de uma cantiga que a minha neta Beatriz costuma cantar, nas nossas viagens para o infantário: a chuva é um pingue-pingue, alegre e brincalhão… Que assim seja!

Manuel

Praia de Carcavelos – 3 Jan 2009

 

Uma vista do Cabo da Roca - Estrada Cascais-Colares
Cabo da Roca – 3 Jun 2009

Autor: 60emais

Português.

Um pensamento em “CABO DA ROCA – UM LUGAR MÍTICO”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.